Cannabis Grow guide by Royal Queen Seeds

By Steven Voser

Como qualquer outra cultura, a canábis pode estar sujeita a pragas, infeções fúngicas, vírus e a uma variedade de outros problemas que podem ser prejudiciais para a qualidade e para o tamanho da sua colheita. Saber como discernir as deficiências de nutrientes do apodrecimento da raiz e do bolor, por exemplo, é essencial para tratar uma doença de canábis logo desde o início e minimizar o seu efeito na saúde das suas plantas.


Problemas na canábis relacionados com os nutrientes

Tanto a sobrealimentação quanto a subalimentação criam stresse para uma planta que pode levá-la a desenvolver sintomas como folhagem descolorida ou malformada e crescimento atrofiado. Alguns dos problemas mais comuns da canábis relacionados com os nutrientes incluem:

Deficiências de nutrientes

Os cultivadores inexperientes pensam frequentemente que a canábis só precisa de três nutrientes: azoto (N), fósforo (P) e potássio (K). Embora estes macronutrientes sejam, de facto, vitais para o crescimento saudável, as plantas de canábis precisam de uma mistura complexa de nutrientes macro, secundários e micro para alimentar tanto o crescimento vegetativo quanto a floração. Quando as suas plantas não acertam na quantidade de nutrientes, elas desenvolvem deficiências que provocam a morte de folhas velhas e jovens, bem como a descoloração das folhas.

As deficiências de nutrientes são tipicamente provocadas pela subalimentação, desequilíbrio do pH e bloqueio de nutrientes. Deixada por tratar, uma deficiência de nutrientes pode perturbar seriamente o desenvolvimento de uma planta e reduzir tanto a qualidade quanto o tamanho do seu rendimento.

Os sintomas exatos das deficiências de nutrientes variam consoante o nutriente que a sua planta tem em falta. Alguns sintomas comuns incluem:

  • Folhas velhas ou jovens a morrer
  • Folhas amarelecidas ou castanhas
  • Caules vermelhos ou roxos
  • Folhas com manchas ou secas
  • Pontas e extremidades de folha encaracoladas
  • Alongamento
  • Folhas e caules torcidos

Algumas deficiências de nutrientes podem ser reparadas aumentando simplesmente a quantidade com que aduba as suas plantas. Nos casos em que é um resultado de um desequilíbrio do pH e/ou bloqueio de nutrientes, contudo, as plantas precisarão de diferentes métodos de tratamento.

Deficiências de nutrientes

Queima de nutrientes

O oposto de uma deficiência — a queima de nutrientes — ocorre quando as plantas obtêm mais nutrientes do que precisam. A sobrealimentação é uma causa óbvia de queima de nutrientes, mas, aqui também, os desequilíbrios de pH ou bloqueio de nutrientes são causas comuns. Os sinais característicos da queima de nutrientes são pontas e extremidades de folhas secas, castanhas e, por vezes, enroladas.

Deve seguir um calendário de adubação estrito e verificar o seu pH e níveis de EC antes e após cada adubação para assegurar que as suas plantas, além de estarem a obter esses nutrientes, também conseguem absorvê-los adequadamente.

Vale a pena observar que a queima de nutrientes só está tipicamente associada à utilização de fertilizantes químicos. Os nutrientes orgânicos, que têm uma fórmula de libertação prolongada, tipicamente, não provocam a queima de nutrientes, dado que podem demorar mais tempo a ser decompostos e absorvidos pelas suas plantas.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Bloqueio de nutrientes

O bloqueio de nutrientes é provocado por uma reação química entre a sua planta, o seu meio e o seu fertilizante. Essencialmente, esta reação inibe a capacidade da sua planta absorver nutrientes do seu meio, o que, eventualmente, leva a uma deficiência de nutrientes.

Tipicamente, o bloqueio de nutrientes ocorre quando utiliza fertilizantes químicos concentrados durante períodos de tempo prolongados. As quantidades residuais de nutrientes e de sais do seu fertilizante podem acumular-se no seu meio, alterando o seu pH e interferindo com a capacidade da sua planta absorver os nutrientes no futuro.

Em termos gerais, o bloqueio de nutrientes é tratado lavando o substrato com água com pH equilibrado e recomeçando novamente o seu regime de adubação. Muitos cultivadores também optam por começar a alimentar ligeiramente menos para evitar encontrar o mesmo problema novamente.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Problemas da planta de canábis relacionados com o pH

Ao contrário de outras plantas, a canábis só consegue absorver nutrientes dentro de uma pequena janela de pH; caso o seu solo, água ou fertilizante estejam fora dessa janela, a sua planta não conseguirá alimentar-se adequadamente. Não só estará a desperdiçar nutrientes caros, como também pode ter de lidar com deficiências de nutrientes e/ou bloqueio mais adiante.

As plantas de canábis gostam de crescer em solo ligeiramente ácido, com um pH ideal de cerca de 6–7. No entanto, descobrimos que alguma flutuação entre o pH 6 e 7 otimiza a capacidade da canábis absorver uma variedade de nutrientes macro, secundários e micro.

Em configurações hidropónicas ou sem solo, a canábis cresce melhor com um pH de 5,5 a 6,5. Uma vez mais, um pouco de flutuação pode ajudar as suas plantas a absorverem adequadamente uma série de nutrientes.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Sinais de rega excessiva ou escassa da canábis

Seja como for, a rega diminuta e a rega excessiva da canábis interfere com muitos dos processos biológicos da planta, provocando stresse e crescimento atrofiado. O solo excessivamente húmido ou seco também atrai fungos como os mosquitos, ácaros-aranha, entre outros, consoante as condições.

Infelizmente, as plantas com rega excessiva e com rega escassa desenvolvem os mesmos sintomas; as suas folhas caem e, com o passar do tempo, começarão a murchar e a morrer. O seu solo, contudo, dir-lhe-á frequentemente onde está a errar. Se estiver sequíssimo, está a regar em escassez e, se estiver húmido e lamacento, provavelmente está a regar em demasia.

Para evitar regar em demasia ou regar em escassez, lembre-se de:

  • Espetar o seu dedo no solo sensivelmente um nó do dedo e regue apenas quando estiver totalmente seco.
  • Assegure-se de que está a cultivar em solo ligeiro e bem arejado, em vasos com orifícios de drenagem suficientes.
  • Desfolhe ou aplique o lollipop nas suas plantas para melhorar a circulação do ar em torno do solo para que seque mais depressa.
  • Leia o nosso guia completo sobre como regar devidamente as plantas de canábis.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Problemas na canábis relacionados com a raiz

Além das raízes ancorarem uma planta no devido lugar, estas também absorvem oxigénio, água e nutrientes do meio e transportam-nos para o caule, folhas e flores. As raízes de uma planta armazenam e libertam a energia produzida durante a fotossíntese para alimentarem o crescimento e lidarem com as lesões, consoante necessário.

Alguns dos problemas relacionados com a raiz mais comuns que afetam os cultivadores de canábis incluem:

Plantas com raízes enroscadas

As plantas ficam com as raízes enroscadas quando crescem por completo para lá dos seus recipientes. As raízes terão crescido em torno da circunferência do seu vaso, formando um nó apertado. Além disto stressar a planta, também afeta a sua capacidade de absorver a água e os nutrientes, o que pode levar a deficiências, desequilíbrios do pH e bloqueio de nutrientes.

Caso as suas plantas tenham as raízes enroscadas, terá de transplantá-las para recipientes maiores. Quando o faz, faça todos os possíveis para desemaranhar as raízes (quando possível). Em casos graves, pode ter de podar as raízes utilizando uma tesoura de poda afiada ou uma faca. Após transplantar, dê às suas plantas pelo menos uma semana para recuperar do stresse da transplantação.

Para impedir que a sua canábis fique com as raízes enroscadas no futuro, transplante regularmente as plantas para vasos maiores, e na altura certa, isto é, pouco antes de as suas raízes atingirem a circunferência dos seus recipientes. As plântulas, por exemplo, podem ser transplantadas assim que tiveram ganho alguma altura e tenham desenvolvido folhas verdadeiras que cobrem a circunferência dos seus vasos iniciais.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Apodrecimento da raiz

Tal como o nome sugere, o apodrecimento da raiz é caracterizado por raízes a apodrecerem e doentes. Em configurações de solo ou de coco, isto é habitualmente provocado por problemas de drenagem ou por rega excessiva, ambas as quais fazem com que a água estagnante se acumule ao redor das raízes, criando um ambiente de reprodução para bactérias ou fungos.

Nas configurações hidropónicas, o apodrecimento da raiz é tipicamente provocado pelo calor, por fugas de luz, por baixos níveis de oxigénio na água ou por matéria em decomposição no reservatório. Todas estas causas convidam bactérias e fungos que apodrecem a raiz (como o Fusarium) no seu reservatório.

As raízes a apodrecer têm um aspeto castanho e esguio e, por vezes, cheiram mal. Acima do solo, as plantas com apodrecimento da raiz prostrar-se-ão e murcharão, desenvolvendo folhagem amarela ou branca. O apodrecimento da raiz também pode provocar deficiências dado que a planta tem dificuldade em ingerir os nutrientes do seu meio.

Para tratar o apodrecimento da raiz, precisará de administrar bactérias benéficas nas raízes da planta para combater quaisquer patógenos. Caso esteja a cultivar no solo, quererá transplantar as suas plantas para solo novo e para novos recipientes, assegurando que o seu solo está bem arejado e que os seus vasos têm orifícios de drenagem suficientes. Caso esteja a cultivar em hidroponia, quererá limpar e desinfetar toda a sua configuração, criar um novo reservatório com imenso oxigénio e tratar de quaisquer fugas de luz ou problemas de calor.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Problemas ambientais da planta de canábis

Quer esteja a cultivar no interior ou no exterior, fatores ambientais como a temperatura, a humidade, a luz e a circulação do ar podem stressar as suas plantas quando não os regula em condições.

Stresse provocado pelo calor ou frio

As plantas de canábis preferem diferentes temperaturas durante as diferentes fases do seu ciclo de vida. Quando as temperaturas ficam demasiado quentes, as plantas desenvolverão folhas que se enrolam para cima que têm um aspeto e sensação secas. Com o passar do tempo, as plantas stressadas pelo calor também podem desenvolver manchas castanhas ou brancas ao longo das suas pontas das suas folhas lança.

O primeiro passo para lidar com o stresse no interior é utilizar ventoinhas para fazer circular o ar em torno das suas plantas e um sistema de ventilação para remover o ar velho e substituí-lo pelo ar mais fresco do exterior. Como se isso não fosse suficiente, pode precisar de utilizar ar condicionado para ganhar mais controlo sobre a temperatura no seu espaço de cultivo. Finalmente, caso as suas luzes estejam a produzir demasiado calor, pode precisar de investir numa outra solução de iluminação (como LEDs, por exemplo).

Tal como o calor extremo pode danificar as suas plantas, assim também o pode o frio. Caso as suas plantas fiquem expostas a temperaturas abaixo dos 15 ºC, o seu crescimento abrandará (devido à fotossíntese reduzida) e também correrão um maior risco de lidar com patógenos como o bolor. Mesmo que não exibam sinais de stresse, as plantas que crescem em temperaturas baixas não rendem tipicamente tão bem como as que crescem em temperaturas ideais.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Para evitar encontrar estes problemas, siga as nossas indicações para a temperatura e humidade e lembre-se de:

  • Utilizar um termómetro e higrómetro para medir a temperatura e a humidade na sua divisão de cultivo.
  • Utilize ventoinhas para circular o ar em torno das suas plantas.
  • Utilize um sistema de ventilação para fazer circular o ar na sua divisão de cultivo.
  • Utilize luzes de cultivo LED de baixo calor.

Caso seja um cultivador de exterior que está a lidar com calor ou frio extremos, preste atenção ao boletim meteorológico e leve as suas plantas para o interior quando for previsto as temperaturas atingirem os picos máximo/mínimo. Além disso, considere utilizar uma estufa ou politúnel para mais controlo sobre a temperatura e/ou humidade.

Queima pela luz

A queima pela luz é um problema comum para cultivadores inexperientes que lidam com restrições espaciais. Esta ocorre quando as plantas de canábis se aproximam em demasia das suas luzes de cultivo, resultando em brotos desbotados (durante a floração) e em folhagem amarela.

Felizmente, lidar com a queima pela luz é, habitualmente, muito simples; só tem de afastar as luzes das suas plantas. Caso isso não seja uma opção, recomendamos que utilize a LST para encorajar as suas plantas a crescerem baixas e largas ao invés de finas e altas.

Caso seja um cultivador de exterior, geralmente, não terá de preocupar-se com a queima pela luz; o sol está demasiado afastado das suas plantas para provocar-lhes qualquer dano considerável. Caso tenda a cultivar as suas plântulas no interior, contudo, lembre-se apenas de aclimatizar gradualmente as plantas à luz do sol para evitar quaisquer problemas.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Danos pelo vento

A canábis adora crescer com uma brisa. Infelizmente, os ventos fortes podem provocar alguns danos irreparáveis nas suas plantas, rasgando a folhagem saudável, partindo os ramos a brotar ou desenraizando-as por completo.

Felizmente, em termos gerais, os cultivadores de interior não têm de preocupar-se com os danos pelo vento. Entretanto, há um par de coisas que pode fazer para proteger as suas plantas do vento exterior:

  • Plante-as perto de outras plantas, vedações, canteiros ou paredes que possam ajudar a servir como para-ventos.
  • Pode e treine as suas plantas. As plantas curtas e densas são menos prováveis de tombar devido ao vento.
  • Cultive trevos e alfafa ao redor das raízes das suas plantas para prevenir o desenraizamento.
  • Evite compactar em demasia a canábis; as suas plantas precisam de flexibilidade para se deslocarem com o vento para evitarem partir.
Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Bolores da canábis: apodrecimento dos brotos e míldio

O bolor é um grande problema para os amantes da canábis. Além de sugar a vida das suas plantas, alguns bolores também almejam diretamente os brotos, destruindo-os antes que tenha sequer uma possibilidade de colher. Os dois bolores mais comuns que afetam a canábis são o míldio (WPM, da sigla em inglês) e a botrite (apodrecimento do broto).

Tal como o nome sugere, o míldio deixa um pó fino, branco e tipo farinha na superfície das folhas de uma planta. Eventualmente, o bolor espalha-se pelo resto da planta, interrompendo a fotossíntese e levando lentamente a que as folhas fiquem amarelas antes de as matar por completo. Em fases avançadas, o WPM pode libertar pequenos esporos pretos nas suas plantas, que podem tornar-se aéreos e disseminar-se. Não há forma de curar por completo uma planta infetada; ao invés, terá de combater o bolor e tentar minimizar a sua disseminação enquanto permite que as secções saudáveis da sua planta cresçam.

A botrite, também conhecida como apodrecimento dos brotos, abriga-se geralmente na base do caule de uma planta e vai subindo lentamente ao longo dos ramos individuais, derrubando quaisquer brotos com que entre em contacto. Alguns dos primeiros sinais de uma infeção por botrite são folhas secas, a murchar e descoloridas em brotos individuais ou em colas inteiras. Dê uma vista de olhos atenta aos brotos afetados e encontrará bolor cinzento ou azulado a crescer neles. À medida que amadurece, a botrite também produzirá pequenos poros pretos que podem disseminar-se para outras plantas através de contacto direto ou através do ar.

É difícil combater os bolores da canábis. A primeira coisa que terá de fazer é avaliar a infeção em particular com que a sua planta está a lidar. A partir daí, pode decidir se vale a pena, ou não, salvá-la.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis
*Bud *rot *and *powdery *mildew

IDENTIFICAR OS FUNGOS COMUNS DA CANÁBIS

Uma infeção fúngica pode ser prejudicial para o tamanho e para a qualidade da sua colheita. Infelizmente, os problemas fúngicos são muito comuns, tanto entre cultivadores de interior quanto de exterior. Traduzindo por miúdos: a prevenção é essencial.

Apodrecimento das plântulas

O apodrecimento das plântulas é um problema fúngico comum que, mais comummente, afeta as plântulas. Este é habitualmente provocado pelos fungos Pythium, Botrytis e Fusarium (mais informação abaixo). Quer estejam presentes no seu solo ou sejam trazidos para o seu espaço de cultivo/jardim por outra planta, estes fungos atacam os caules das plântulas jovens, fazendo com que fiquem frouxos e matando-os em menos de 24 horas.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Septoria

Também conhecida como mancha amarela da folha, a septoria é um fungo que ataca as folhas das suas plantas, manchando-as com pontos amarelos ou acastanhados. Habitualmente, ataca as plantas logo após começarem a florescer e aparece primeiro na folhagem inferior. Se deixada por tratar, a septoria vai subindo pela planta; embora, habitualmente, não ataque os brotos, esta pode destruir imensa folhagem. Isto além de stressar as plantas também afeta a sua capacidade de produzir a fotossíntese, atrasando efetivamente o seu crescimento e reduzindo o seu rendimento.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Fusarium

O Fusarium é um fungo mortífero capaz de destruir toda uma cultura de canábis. Capaz de permanecer adormecido no solo por anos e de atacar sem quaisquer sintomas reveladores, o Fusarium é notoriamente difícil de detetar. Quando ataca, este passa diretamente para as raízes, fazendo com que apodreçam enquanto também interrompe o fluxo de nutrientes e de água através da planta. As plantas afetadas cairão, murcharão e — por vezes, numa questão de dias — morrerão. Não há cura para o Fusarium e os cultivadores que enfrentam este fungo são habitualmente aconselhados a eliminarem as suas culturas, a desfazerem-se dos seus solos e vasos, a desinfetarem o seu espaço de cultivo e a iniciarem um novo cultivo, do zero.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Pythium

O Pythium é um tipo de alga parasítica, anteriormente classificado como fungo, que ataca as raízes das plantas de canábis. É uma das principais causas do apodrecimento da raiz. Embora o Pythium possa atacar as plantas de canábis em qualquer fase da vida, as plântulas estão particularmente em risco devido ao seu meio húmido.

Caso esteja a cultivar numa configuração híbrida, terá uma vantagem extra quando se trata de detetar uma infestação de Pythium; descoloração castanha e uma massa viscosa, pegajosa ou lamacenta ao redor das raízes de uma planta são sinais reveladores de apodrecimento da raiz. Já para não mencionar que o Pythium é responsável por praticamente 90% dos casos de apodrecimento da raiz.

Infelizmente, se estiver a cultivar no solo ou em sistemas hidropónicos passivos (como coco ou perlite), é extremamente difícil detetar o Pythium dado que provoca uma variedade de sintomas acima do solo que podem parecer-se com qualquer coisa, desde deficiências de nutrientes até queima pela luz.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Alternaria

Estima-se que as infestações por Alternaria sejam responsáveis pela deterioração de até 20% de todas as culturas agrícolas.

A Alternaria adora condições quentes e húmidas. Também almeja plantas que crescem em solo fraco, aquelas que tiveram outros problemas fúngicos no passado, ou as que sofrem de má gestão de nutrientes. Embora possa atacar em qualquer fase do ciclo de vida de uma planta, a Alternaria tende a afetar mais as plantas em floração. Um sinal revelador de uma infestação por Alternaria são manchas roxas acastanhadas com fronteiras amarelas na folhagem. Por vezes, também pode detetar pequenos esporos pretos do fungo a cobrirem as suas folhas (conhecida como conidia).

Infelizmente, não há nenhuma forma de tratar a Alternaria. Esta é um fungo que nasce na semente e se dissemina rapidamente de uma planta para outra, deixando os frutos infetados e incomestíveis.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Verticillium

O Verticillium é outro fungo devastador da planta. Pode permanecer dormente no solo durante anos antes de germinar e de atacar as raízes da sua planta. Eventualmente, o fungo prolifera para o xilema — tecido vascular que transporta a água e os nutrientes das raízes para o resto da planta.

À medida que cresce, o fungo bloqueia o xilema, afetando a circulação da água e dos nutrientes e fazendo com que partes da planta morram e murchem (incluindo folhas, ramos e flores). O Verticillium também pode provocar descoloração castanha em torno do caule, perto do solo.

Tal como muitos outros fungos, o Verticillium espalha-se rapidamente e provoca alguns danos graves nas plantas que afeta. Caso o detete no seu jardim, a sua melhor aposta é eliminar as plantas infetadas e esterilizar o seu equipamento de cultivo para evitar a disseminação do fungo. Para evitar infeções futuras, tem de remover todo o húmus.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Flores de canábis virais

Infelizmente, os vírus podem ser difíceis de detetar, particularmente para os cultivadores inexperientes, e estes podem provocar alguns danos graves num curto período.

Vírus do mosaico do tabaco

Identificado pela primeira vez nas plantações de tabaco, o vírus do mosaico do tabaco (TMV, da sigla em inglês) provoca folhas mal formadas e encaracoladas com manchas amarelas e estilo mosaico distintas. Algumas plantas também podem desenvolver caules fracos e descoloridos (habitualmente vermelhos ou roxos), enquanto outras podem transportar o vírus sem desenvolverem quaisquer sintomas, de todo. Embora seja raro, o vírus do mosaico do tabaco não tem cura. Caso o detete no seu jardim, a sua melhor aposta é remover as plantas infetadas para evitar a dispersão do vírus.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Detetar pragas de canábis comuns

As pragas são um problema comum para os cultivadores de canábis, particularmente no exterior.

Mosquitos de fungos

Os mosquitos de fungos são insetos pequenos e pretos que se parecem imenso com as moscas da fruta. Ao contrário de outras pragas, eles não atacar a folhagem ou as flores de uma planta. As suas larvas, contudo, vivem no solo sob as suas plantas e, lentamente, vão comendo as raízes. Com o passar do tempo, isto pode provocar folhas amarelas, murchar, sintomas de deficiências de nutrientes e crescimento atrofiado.

Infelizmente, os mosquitos de fungos são um problema muito comum para o cultivador de canábis. As suas larvas podem encontrar-se presentes em solo comprado nas lojas, mas a rega excessiva e os níveis de humidade elevados também atraem estes insetos pequenos e irritantes para o seu jardim ou divisão de cultivo.

Felizmente, os mosquitos de fungos não são as piores pragas que há. O óleo de neem, a terra de diatomácea e as bactérias e insetos benéficos (como a Bacillus thuringiensis e as joaninhas, por exemplo) podem ajudar a manter os mosquitos de fungos afastados, desde que os detete com antecedência.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Ácaros-aranha

Os ácaros-aranha são outra praga comum que pode provocar o caos na sua colheita. Estas aranhas pequenas podem ser pretas ou vermelhas e adoram condições quentes e secas. O pior de tudo, estes pequeníssimos ácaros reproduzem-se extremamente rápido (as fêmeas põem até 20 ovos por dia durante 2 a 4 semanas), o que significa que precisa de apanhar uma infestação rapidamente para minimizar os danos.

Alguns sinais iniciais de ácaros-aranha incluem manchas pequeníssimas e pontilhados nas folhas, bem como teias finas e brancas na parte inferior da folhagem (que mais tarde pode espalhar-se por toda a planta). Se deixados por tratar, estes ácaros podem matar as folhas, atrofiar o crescimento de uma planta e reduzir o seu rendimento.

Os ácaros-aranha são particularmente resistentes a inúmeros pesticidas comerciais. Para tratar uma infestação de ácaros-aranha, recomendamos que pode as folhas afetadas, regando as suas plantas com uma mistura de óleo de neem e de água e utilizando joaninhas para matar os ácaros e impedir a infestação futura.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Pulgões

Os pulgões são uma das pragas mais destrutivas que afetam as plantas cultivadas, incluindo a canábis. Ao microscópio, estes insetos parecem-se com pequeníssimo gafanhotos ou grilos verdes, pretos, vermelhos ou brancos que variam de tamanho, entre 1 e 10 mm.

Habitualmente, os pulgões fêmea eclodem no início da primavera e os seus números aumentam rapidamente em apenas algumas semanas. Assim que tiverem encontrado o seu caminho na sua divisão de cultura ou jardim, eles alimentar-se-ão das suas plantas, deixando para trás uma substância estilo seiva nas folhas, nos caules e nas flores (conhecida como melada). A melada atrai formigas e bolor, ambos os quais podem danificar as suas plantas e afastar insetos predatórios como as joaninhas, levando apenas a que a infestação inicial por pulgões se agrave.

Além de os pulgões matarem a folhagem saudável, eles também podem propagar doenças de uma planta para a outra. Tal como com os ácaros-aranha ou os mosquitos de fungos, recomendamos que pode a folhagem afetada, regue as suas plantas com uma mistura de água e de óleo de neem e que introduza insetos predatórios benéficos para combater os pulgões e impedi-los de regressarem.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Minadores de folhas

Os minadores de folhas são larvas de uma variedade de insetos que — tal como o seu nome sugere — escavam as folhas para alimentarem-se e crescerem. Habitualmente, parecem-se com minhocas ou com larvas pequenas, medindo tipicamente 1 mm com uma cor amarela ou verde pálida.

Os minadores de folhas jovens escondem-se no solo durante o inverno e emergem na primavera. Assim que amadurecem, eles vão subindo pelas folhas para dispor os ovos. Este novo lote de crias eclodirá posteriormente e alimentar-se-á das folhas até caírem no chão para repetirem o processo.

Os minadores de folhas deixam linhas brancas ou amarelas características nas folhas de que se alimentam. Tal como com os ácaros-aranha e pulgões, quererá remover quaisquer folhas afetadas, regar as suas plantas com uma mistura de água e óleo de neem e utilizar insetos predatórios para lidar com os minadores de folhas.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Lagartas

Há mais de 20 000 espécies de lagartas no planeta e todas têm algo em comum: elas podem destruir por completo a sua canábis.

Quer sejam larvas de mariposas ou de borboletas, as lagartas alimentar-se-ão das suas plantas e, com tempo suficiente, até as designam de casa (pelo menos temporariamente) enquanto tecem o casulo. A maioria das lagartas comerá e disporá os seus ovos nas folhas, mas a notória lagarta perfuradora do cânhamo e do milho furará os caules.

A única forma de proteger as suas plantas contra as lagartas é inspecioná-las regularmente com uma lupa de ourives ou microscópio e retirar quaisquer lagartas e as suas larvas (que podem ser pretas, brancas ou vermelhas) que encontrar. Além disso, esteja atento aos orifícios nos seus caules e rastros castanhos, que são sinais reveladores de lagartas perfuradoras.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Outros problemas de canábis comuns

Há uma variedade de outros problemas que podem surgir na divisão de cultivo, desde a revegetação até à polinização. Aqui tem o que precisa saber para prevenir estes problemas específicos da canábis.

Hermafroditas e bananas

A canábis é dioica, o que significa que produz plantas com órgãos reprodutores macho e fêmea distintos. As hermafroditas, contudo, podem produzir ambos os órgãos sexuais na mesma planta. Isto pode ser um resultado da manipulação genética e das sementes, ou do stresse.

O hermafroditismo é um instinto de sobrevivência. A produção de canábis sem sementes está bem longe de ser natural — as fêmeas ficam por polinizar por períodos extremamente longos numa tentativa de impulsionar ao máximo a sua reprodução de resina, melhorando o sabor e a potência do seu fruto. Infelizmente, estes longos períodos de floração (bem como stressantes ambientais como a humidade e temperatura incorretas, má iluminação, adubação inadequada e problemas com o pH) podem fazer com que uma fêmea desenvolva órgãos reprodutores masculinos conhecidos como "bananas" numa tentativa final de se reproduzirem.

Não é difícil detetar hermafroditismo caso saiba o que procurar. Só quererá certificar-se de que as deteta rapidamente para evitar que polinizem as suas fêmeas e arruínem toda a sua colheita.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis
*Hermaphrodites *and Bananes

Inversão e revegetação

Uma planta de canábis em floração pode inverter para a sua fase vegetativa caso interrompa o seu ciclo de iluminação. Embora os cultivadores inexperientes possam inverter acidentalmente as suas plantas, por vezes, os cultivadores experientes fazem a revegetação propositadamente para obter múltiplas colheitas da mesma planta. Embora possa parecer fantástico, a revegetação acarreta riscos; as plantas que passaram pela revegetação tendem a render menos e podem exibir sinais de hermafroditismo.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

Plantas polinizadas

A polinização é o sinal cardinal do cultivo de canábis sem semente. Assim que as suas fêmeas ficarem polinizadas, elas deixarão de produzir resina e investirão toda a sua energia em desenvolverem sementes. Um sinal revelador de uma fêmea polinizada são brácteas dilatadas. Pegue num par de pinças e abra uma bráctea; se houver uma semente no interior — tem uma planta polinizada.

Infelizmente, não há nada que possa fazer para inverter a polinização. A sua melhor aposta é eliminar quaisquer machos, analisar quão polonizadas as suas outras fêmeas estão e decidir se quer mantê-las vivas ou eliminá-las e iniciar uma nova cultura do zero.

Identificación y tratamiento de las enfermedades más comunes del cannabis

TEM 18 ANOS OU MAIS?

Os conteúdos da RoyalQueenSeeds.com são aconselháveis apenas para adultos e reservados a pessoas com idade legal.

Certifique-se que conhece as leis do seu país.

Ao clicar ENTRAR, confirma
que tem
18 anos ou mais.

Localizador de Guias de Cultivo

eKomi silver seal
4.7 de 5
com base em 36328 avaliações