THE BLACK FRIDAY HANGOVER - UP TO 60% OFF SELECTED STRAINS BUY NOW

Aprenda a avaliar e a posicionar as suas luzes de cultivo de canábis para máxima eficácia.


OS 3 TIPOS MAIS COMUNS DE LUZES DE CULTIVO MODERNAS

O cultivo de canábis de interior contemporâneo envolve habitualmente pelo menos uma de três fontes de iluminação artificial: HID, CFL e LED. Frequentemente, os cultivadores utilizam uma combinação de luzes de cultivo. Como é óbvio, há outras tecnologias de iluminação mais antiquadas, contudo, resumem-se todas praticamente às lâmpadas Betamax. Este artigo focar-se-á na iluminação mais comum utilizada pelo cultivador de canábis do século XXI. Vamos abordar minuciosamente os conselhos práticos da sala de cultivo sem nos basearmos nas estatísticas pseudocientíficas.

As HID ou lâmpadas de descarga de alta intensidade têm sido as luzes de cultivo de eleição para todos os tipos de cultivadores de interior, desde iniciantes até cultivadores profissionais, pelo menos desde o início dos anos 90. Com o passar dos anos, as lâmpadas tornaram-se mais eficientes, os balastros tornaram-se digitais e os refletores ficaram maiores e melhores. Os cultivadores que favorecem as HID crêem veementemente que os lúmens são a única estatística a considerar quando se trata de luzes artificiais.

Como todos sabemos, as CMH ou halide do metal cerâmico entraram no cenário e a lâmpada CMH de 315 W é impressionante, não deixando, contudo, de ser um investimento bastante caro quando comparado com o valor de uma lâmpada MH normal, ou halide de metal. Além disso, a CMH de 315 W não tem uma performance tão boa como uma HPS, ou lâmpada de vapor de sódio de alta pressão de 600 W de espetro duplo/agro topo de gama. Similarmente, a CFL exibe resultados promissores, mas fica sempre num distante segundo quando comparada com a mais do que testada e fiável HID.

O LED ou díodo emissor de luz são uma tecnologia inovadora, que está a tomar conta do mercado, dando a sensação de que estão a terminar com o reinado das HID para o cultivo de canábis. A última geração de sistemas LED é agora capaz de produzir marijuana comparável e, alguns casos, superior à configuração HID normal. A PAR ou radiação fotossinteticamente ativa é a métrica que os fanáticos do LED consideram como sendo a mais importante.

É melhor não ficar demasiado obcecado com as novas medidas de luz e espetros de luz modificados. Opte pela simplicidade. Pense na luz em termos de watts e faturas de eletricidade. De seguida, surge a questão, "quanto consumo de energia?", seguida pela "Quanto calor produzirá a lâmpada e quanta luz emitirá?”

HID da Velha-Guarda

No jargão da malta que gosta de fumar uns charros, as HID têm todo um manancial de mariquices, mas os princípios base do cultivo de canábis com este tipo de iluminação artificial permanecem imutáveis. As MH são para cultivo vegetativo e as HPS são para a floração. Não obstante, as lâmpadas HPS de espetro duplo são uma alternativa popular, além de serem provavelmente melhores para as estirpes autoflorescentes.

As lâmpadas de 400 W e 600 W são as mais adequadas para o cultivo de canábis de interior. As luzes devem ser penduradas de forma nivelada. A altura ideal da luz, ou OLH (em inglês) é entre 30-50 cm acima da cobertura da planta. Isto significa fixar cuidadosamente o refletor ao teto ou telhado da tenda de cultivo quer com roldanas ou torniquetes de corda.

É melhor utilizar dispositivos que podem ser facilmente ajustados e reposicionados à medida que as plantas amadurecem e aumentam de tamanho. No entanto, as plântulas e cortes podem sentir que uma MH de 600 W é demasiado intensa e pode ser apropriada uma distância acima dos 60 cm.

Não se ponha a mexer nas calhas de iluminação a não ser que tenha formação em engenharia. As luzes estacionárias que não oscilam com uma lâmpada nivelada e horizontal albergada num refletor limpo e aberto proporcionam um cultivo profissional e standard. Idealmente, utilize um refletor grande, ou o maior que conseguir colocar no espaço de cultivo, com uma dispersão ampla para utilizar toda a área.

Os filtros de luz, a luz e as lâmpadas refrigeradas a ar são caras. Por conseguinte, os tubos frescos só se adequam realmente a cultivos de armário dado que têm algumas das piores propriedades refletoras de todos os refletores no mercado. Acrescentar mais luzes e mais ventoinhas significa faturas de eletricidade mais dispendiosas.

Dicas de Cultivo de Canábis: Como Configurar as Luzes de Cultivo de Interior

ILUMINAÇÃO E ESPAÇO DE CULTIVO

Geralmente, 400-600 W por m² é imensa luz para um cultivo caseiro. Os cultivadores comerciais podem ir até mais de 1000 W para rendimento máximo. Colocar o maior número possível de lâmpadas na operação de cultivo não é uma forma mais célere de alcançar uma colheita farta. Mais lâmpadas HID significam mais luz, mas também muito mais calor. Estas meninas aquecem muito. As lâmpadas de 250 W destinam-se apenas a cultivadores micro.

A única vantagem que a lâmpada de 250 W oferece é que os topos da planta podem chegar até cerca de 20 cm da lâmpada. A produção de calor é muito inferior à de 600 W, mas a luz não penetrará tão longe. Pouca luz atingirá os ramos mais inferiores das plantas mais altas.

A adição de apenas uma HPS de 600 W extra pode aumentar imenso os tempos da operação de cultivo. É frequentemente uma solução menos dispendiosa e mais eficaz para investir na melhoria da divisão de cultivo. Cubra talvez as paredes com filme PET ou passe de um balastro magnético para um balastro digital regulável, ou vá em frente e opte por um LED.

QUANTAS PLANTAS?

A resposta é quantas o cultivador preferir ou conseguir. Pode colocar 16 plantas de canábis em recipientes quadrados de 11 l num espaço de cultivo de 1 m² utilizando a técnica de treino SOG. Alternativamente, um cultivador pode encher o mesmo espaço com uma planta grande utilizando o método ScrOG. Seja como for, o rendimento será comparável. Uma vez mais, resume-se tudo à forma como utiliza a luz e a área de cultivo.

SUPLEMENTAR COM CFL

As CFL ou lâmpadas fluorescentes compactas são realmente eficazes no espetro branco frio como uma alternativa a uma lâmpada MH. Uma CFL de 250 W pode proporcionar resultados comparáveis a uma lâmpada MH de 400 W. Isto é alcançado pendurando a CFL sensivelmente 10 cm acima da cobertura da planta. A CFL funciona de modo frio e pode ficar realmente perto das plantas sem queimar a folhagem. Além disso, as lâmpadas CFL só aumentarão marginalmente os tempos da operação de cultivo. Isto faz com que a CFL seja perfeita para plântulas, cortes e para utilizar durante a fase vegetativa. As lâmpadas CFL são por vezes a única opção para os cultivadores micro.

Infelizmente, a CFL não apresenta lúmens nem características PAR impressionantes. Ainda pior, as lâmpadas CFL não são muito eficazes para a marijuana em floração. As plantas de canábis precisam de iluminação muito mais intensa durante a floração do que aquela que a CFL consegue fornecer. Conte com rendimentos parcos e brotos soltos ao utilizar as lâmpadas CFL na fase de floração.

LED DA PRÓXIMA GERAÇÃO

Os sistemas LED mais recentes alcançaram finalmente paridade com os sistemas de iluminação HID tradicionais. De momento, a situação é similar à altura em que as televisões de ecrã plano surgiram pela primeira vez no virar o século. Os benefícios e as vantagens estavam à vista de todos. No entanto, o fator limitador eram os proibitivos preços altos dos principais fabricantes.

Os kits LED de alta performance requerem 350-400 W e conseguem superar uma configuração MH e HPS de 600 W com um conjunto de espetro integral a não ser muito barato. Há alguns modelos que conseguem realmente fazer tudo. Os melhores sistemas podem funcionar a frio e são incrivelmente económicos a longo-prazo. As distâncias de colocação variam muitíssimo, por conseguinte, o comprador deve ter isto em consideração e certificar-se de que consulta as instruções do fabricante.

Dicas de Cultivo de Canábis: Como Configurar as Luzes de Cultivo de Interior

Abaixo, mergulhamos na ciência por detrás da saída de luz, de forma que possa avaliar a potência e colocação ideais das suas lâmpadas de cultivo de canábis. Cobriremos termos como os fotões, lúmens e PAR, bem como os principais tipos de lâmpadas de cultivo e como estas diferem.

ESPETRO DE LUZ, PAR E LÚMENS

A luz é feita de fotões, que são pequeníssimas partículas que viajam inevitavelmente à velocidade da luz. Os fotões nos feixes de luz vibram com diferentes frequências e comprimentos de onda. Os humanos conseguem ver as radiações fotónicas dentro dos comprimentos de onda entre 380–680 nm, enquanto a sensibilidade das plantas à luz varia entre os 200–800 nm. Nem todos os comprimentos de onda dentro deste espetro produzem os mesmos efeitos na fotossíntese. Aqueles que mais ativam os processos bioquímicos nas plantas designam por PAR (radiação fotossinteticamente ativa), tendo um intervalo espectral de 400–700 nm.

A luz pode ser medida em quantidades fotométricas em função da sensibilidade do olho humano à cor, ou ao invés com quantidades radiométricas relativas à energia transportada pelos feixes de luz. Os lúmens e os luxes são as unidades fotométricas comummente utilizadas que se referem à luz percecionada pelo olho humano.

No entanto, as medições fotométricas não indicam quanto energia de luz uma lâmpada envia para uma planta para a fotossíntese dado que estas não incluem as variáveis PAR. Apesar disso, os lúmens e luxes conseguem fornecer uma indicação inicial sobre uma saída específica da lâmpada, e podemos comparar diferentes produtos medindo a sua eficiência fotométrica relativamente ao rácio lúmen:watt, independentemente de eventuais diferenças na saída do espetro de luz a diferentes comprimentos de onda.

Os luxes e lúmens funcionam bem na medição das lâmpadas MH, HPS, CFL e T5, mas não medirão com precisão a eficiência de uma lâmpada LED quando cultiva canábis.

PAR E PPFD NA COMPUTAÇÃO WATT

Em termos gerais, a quantidade mínima de luz de amplo espetro necessária para uma planta de canábis é de sensivelmente 9000 lm por metro quadrado, enquanto a ideal é de mais de 20 000 lm/m². No entanto, um crescimento e floração vigorosos das plantas de interior dependem dos limites da lâmpada atingidos a comprimentos de onda específicos que espoletam a fotossíntese. É por isso que as lâmpadas LED de cultivo utilizam sistemas radiométricos para medir a quantidade de fotões irradiados nas frequências de cor PAR que mencionámos antes.

A medida radiométrica mais amplamente utilizada na horticultura é a PPFD (densidade de fluxo de fotões fotossintéticos), que mede o fluxo de PAR em micromoles fotónicos por segundo num metro quadrado (μmol/m²/s). Assumindo que a PPFD da lâmpada de cultivo é fornecida, podemos calcular a sua eficiência radiométrica e comprar diferentes sistemas de iluminação utilizando o rácio PPFD:watt.

Dicas de Cultivo de Canábis: Como Configurar as Luzes de Cultivo de Interior

SOL, LÂMPADAS E PRESSÃO FOTÓNICA ADEQUADA

O sol de meio-dia de meados do verão atinge a Terra a latitudes de sensivelmente 45° com uma potência fotossintética de 1200–2000 PPFD. Ainda assim, as plântulas de canábis, clones e plantas progenitoras satisfazem-se com uma PPFD de apenas 200–400 μmol/m²/s. As plantas de canábis, na sua fase vegetativa, precisarão de 400–600 μmol/m²/s e as plantas em floração requerem habitualmente 600–1500 μmol/m²/s PPFD com níveis atmosféricos de CO₂. Um estudo descobriu que a PPFD mais produtiva para a canábis é de 1500–2000 μmol/m²/s a uma temperatura de 25–30 °C com o CO₂ natural aumentado para 750 ppm.

Ainda que a canábis seja uma planta exigente, a irradiação acima do limite para cada variedade, fase de vida ou condições ambientais não aumenta necessariamente o rendimento. Por outro lado, um excesso de pressão fotónica pode provocar danos nas folhas e nas flores. Por outras palavras, a produção de flores aumenta quando a planta de canábis recebe 20–30 moles de luz PAR por dia, sendo que se nivela entre 30–40 moles e reduz acima dos 40 moles.

DE QUANTA LUZ PRECISA A SUA DIVISÃO DE CULTIVO?

Para estabelecer a quantidade de luz correta para a sua colheita, tem de multiplicar o comprimento pela largura da sua divisão de cultivo para obter a área de cultivo, de seguida multiplicar o número obtido pelo nível PPFD pretendido.

Caso a sua caixa de cultivo tenha 250 cm de comprimento e 80 cm de largura, o seu espaço de cultivo será 2,50 m x 0,80 m = 2 m². Se pretende ter uma cobertura de floração da planta de sensivelmente 2 metros quadrados e quer ter um nível de PPFD de 500 μmol, só precisa de 1000 μmol/m²/s. Este resultado deve ser então dividido pela PPFD por watt de luz para determinar a potência necessária.

REGRA DOS WATTS POR METRO QUADRADO: QUANTAS PLANTAS PODE CULTIVAR?

Os sistemas LED produzem PAR maior do que as MH, HPS, entre outros tipos de lâmpadas. Apesar disso, as suas plantas precisarão sensivelmente da mesma quantidade de watts por metro quadrado para alcançarem uma colheita similar à das lâmpadas HID tradicionais. Considere igualmente que os sistemas de iluminação LED são frequentemente publicitados como sendo mais potentes do que a sua verdadeira potência elétrica, contudo, isto não significa que um LED de 400 W consegue cobrir a mesma quantidade de metros quadrados de uma lâmpada HPS de 1000 W. Aqui tem algumas tabelas gerais de potência necessárias para cultivar plantas de canábis vigorosas utilizando diferentes sistemas de iluminação. Durante a fase vegetativa inicial, elas precisarão de sensivelmente metade da potência.

Como referências, as lâmpadas HPS podem cobrir aproximadamente as seguintes áreas de cobertura:

250W ≈ 0.5–1m² ≈ 2 plantas
400W ≈ 1–1.5m² ≈ 4 plantas
600W ≈ 1.3–2m² ≈ 8 plantas
1000W ≈ 1.8–3m² ≈ 10 plantas



As lâmpadas LED podem cobrir aproximadamente as seguintes áreas de cobertura:

120W ≈ 0.5m² ≈ 1 planta
200W ≈ 0.8m² ≈ 2 plantas
280W ≈ 1m² ≈ 4 plantas
350W ≈ 1.5m² ≈ 6–8 plantas



Para ter uma ideia de quanta intensidade de luz está a fornecer às suas plantas, pode comprar um luxómetro e medir a intensidade de luz em diferentes pontos da cobertura. Alternativamente, pode fazer um cálculo teórico que considera os lúmens emitidos pela lâmpada relativamente à área de cultivo. Para calcular a pressão lux na cobertura, só tem de dividir os lúmens da sua lâmpada pelos metros quadrados da área iluminada. Se posicionar uma lâmpada que produz 100 000 lm a uma distância de 1 m do topo da planta, esta iluminará uma área de 1 m² com uma intensidade de 100 000 lx (100 000 lm ÷ 1 m = 100 000 lx). Se a lâmpada só estiver a 0,5 m de distância, a cobertura receberá 100 000 lm ÷ 0,5 m = 200 000 lx.

Infelizmente, a intensidade luminosa diminui por um fator igual ao quadrado da distância de origem do objeto iluminado, por conseguinte, a mesma lâmpada colocada a dois metros aumentará a largura do seu feixe, cobrindo 4 m², mas com apenas 25 000 lx. Consequentemente, precisará de quatro lâmpadas para alcançar os seus hipotéticos 100 000 lx alvo em toda a sua área de cultivo.

Dicas de Cultivo de Canábis: Como Configurar as Luzes de Cultivo de Interior

HID (MH, HPS): REGRAS PARA A DISTÂNCIA CORRETA

As lâmpadas HID têm uma versão halide do metal (MH) com luz fria adequada para a fase vegetativa, bem como uma versão de sódio de alta pressão (HPS) com um espetro muito mais amplo para a fase de floração. Estas lâmpadas aquecem e requerem um sistema de refrigeração e de exaustão adequados. Elas também emitem menos luz com o passar do tempo, assim sendo, as novas lâmpadas devem ser colocadas mais distantes do que as lâmpadas mais antigas e, decorrido um par de anos, deve considerar substituí-las.

A distância adequada quer para as lâmpadas MH como para as HPS depende principalmente da potência. Comece sempre com a luz na parte superior da gama e vá reduzindo gradualmente. Assumindo que a ventilação na sua divisão de cultivo está devidamente colocada, com uma lâmpada mais pequena de 250 W pode começar a uma distância de 35 cm, descendo progressivamente para a cobertura até atingir os 25 cm das lâmpadas no final da fase de floração. Com uma lâmpada de 600 W, pode começar nos 50 cm, descendo até aos 30 cm. Caso opte por uma lâmpada de 1000 W, é melhor assegurar uma distância de pelo menos 80 cm.

A prática comum diz que deve suster a parte posterior da sua mão voltada para a luz, logo acima do topo das suas plantas, caso se sinta confortável, as suas plantas também sentir-se-ão. Mas não se fique em demasia pelas regras gerais. Verifique sempre as suas plantas em busca de quaisquer sinais de sobreaquecimento ou pressão fotónica excessiva.

Quão Alto Deve Pendurar as Lâmpadas de Cultivo MH e HPS?

Populares, muitíssimo utilizadas e indiscutivelmente as melhores para maiores rendimentos, muitos cultivadores são fiéis às suas lâmpadas de cultivo MH ou HPS.

Embora as MH e HPS sejam adequadas para diferentes fases do ciclo de cultivo, geralmente pode pendurá-las a uma distância similar das suas plantas. Ambas as lâmpadas funcionam melhor quando estão mais próximas da cultura, mas é boa ideia testá-las caso seja a sua primeira vez.

Quer seja um cultivador novato ou esteja a alterar a sua configuração, recomendamos que comece pelo modelo superior da gama da lâmpada. Desta forma, pode diminuir gradualmente até ficar satisfeito por a sua planta estar a receber energia suficiente. Recomendamos que mantenha sempre a sua lâmpada a pelo menos 30–38 cm (12–15") de distância do topo da cobertura. Lembre-se, o aspeto pode ser enganador, e não quer aquecer as suas folhas em demasia.

Caso não tenha a certeza de quanto calor as plantas estão a receber, faça um teste rápido com a mão. Coloque simplesmente a sua mão à altura da cobertura, sob a luz, e verifique o quão quente está. Caso sinta que está demasiado quente para si, também está demasiado quente para as suas plantas. Por conseguinte, afaste-as um pouco mais.

Uma última coisa a considerar são as suas lâmpadas. Ao contrário das que utiliza em casa, a funcionalidade de uma lâmpada diminui com o passar do tempo. Dado que as lâmpadas produzem menos energia à medida que envelhecem, uma lâmpada mais velha precisará de ficar mais perto da sua planta do que uma mais nova. Similarmente, uma novinha em folha deve ser mantida o mais longe possível sem sacrificar o desenvolvimento da planta. A maioria das pessoas substitui as suas lâmpadas MH pelo menos uma vez por ano, enquanto quem utiliza as HPS as substitui a cada dois anos.

Tabela de Distância das Lâmpadas de Cultivo MH/HPS

POTÊNCIADISTÂNCIA
150W 20–30cm (8–12")
250W 25–35cm (10–14")
400W 30–48cm (12–19")
600W 35–64cm (14–25")
1000W 41–79cm (16–31")

LED: REGRAS PARA A DISTÂNCIA CORRETA

Os sistemas LED funcionam a temperaturas mais baixas do que as lâmpadas HID, mas ainda precisam de arrefecer para prevenir a queimadura acidental das suas plantas. As luzes LED emitem uma enorme quantidade de pressão de luz, inclusive a temperaturas relativamente baixas. Esta quantidade de luz, por si, não o calor, pode provocar queimaduras devido à luz e branqueamento das folhas.

Diferentes modelos de lâmpadas de cultivo LED têm diferentes distâncias ideais das plantas, e os fabricantes incluem habitualmente recomendações nos produtos que oferecem. Comece simplesmente a uma distância média dentro da gama recomendada e observe as suas plantas durante os próximos dias. Recue as luzes caso repare em quaisquer folhas com um tom mais pálido ou com pontas queimadas. Se as suas plantas estiverem bem, aproxime o painel LED, mas nunca até ao ponto em que as folhas superiores começam a esbranquiçar, a amarelar ou a ficarem castanhas.

Os painéis LED de alta potência com mais de 300 W devem ser mantidos a pelo menos 70 cm de distância da cobertura, de seguida, e eventualmente, colocados mais perto durante a fase de floração. Como referência geral, as lâmpadas LED de 200–400 W devem ser posicionadas a 30–70 cm de distância das plantas, enquanto as lâmpadas de 450–600 W requerem uma distância de 50–80 cm. Os sistemas de maior potência devem ser colocados ainda mais distantes. Lembre-se de manter-se atento às suas plantas sempre que começar a utilizar uma nova lâmpada.

Quão Alto Deve Pendurar as Lâmpadas de Cultivo LED?

As lâmpadas LED de cultivo escolhidas pelos jardineiros requerem imensa afinação para encontrar uma altura de colocação ideal. No entanto, com tanta potência, sob as circunstâncias corretas, pode alcançar rendimentos fantásticos.

As luzes LED são complexas. Há muita variedade no mercado, tornando-se praticamente impossível encontrar uma solução universal. Assim sendo, não há uma distância padrão para as mesmas. Basicamente, seja qual for a lâmpada que escolher, os fabricantes fornecerão alturas recomendadas e ainda acabará por ajustá-la.

Outra forma das lâmpadas de cultivo LED o poderem enganar é que estas nem sempre parecem tão potentes como são. As luzes parecem ligeiramente opacas, por conseguinte, é fácil pensar que não estão a emitir energia suficiente. Pelo contrário, estas são enganadoramente fortes, e terá de manter-se atento aos detalhes. Caso não o faça, as suas plantas poderão acabar por esbranquiçar, ou acabará com um cultura dececionante.

Embora cada luz de cultivo LED seja diferente, como regra geral, pendure-as mais longe do que faria com outras lâmpadas, e vá ajustando. Pode continuar a ajustar durante o ciclo de crescimento da planta, aproximando-as da planta à medida que esta floresce.

Tabela da Distância das Lâmpadas de Cultivo LED

Uma vez mais, todas as lâmpadas de cultivo LED são diferentes, mas a seguinte tabela deve ajudar com algumas regras gerais.

POTÊNCIADISTÂNCIA
240–400W 41–76cm (16–30")
450–550W 51–76cm (20–30")
600–850W 61–66cm (24–26")
900W+ 66–107cm (26–42")

TEM 18 ANOS OU MAIS?

Os conteúdos da RoyalQueenSeeds.com são aconselháveis apenas para adultos e reservados a pessoas com idade legal.

Certifique-se que conhece as leis do seu país.

Ao clicar ENTRAR, confirma
que tem
18 anos ou mais.